O que é melhor: cobrar mais barato e ter mais alunos ou mais caro e ter menos alunos? Antes de responder a essa pergunta, Christian Munaier, sócio-consultor da 4Goal, explica que existem academias que se posicionam pelo preço e aquelas que se posicionam pelo serviço.

Entretanto, independente de qual lado está a sua academia, é importante cobrar um preço saudável.

Dessa forma, não há uma fórmula mágica que diga com 100% de certeza qual é a melhor estratégia para a sua academia. Afinal, somente os responsáveis, que estão imersos no ambiente da academia, é que poderão definir qual rumo seguir.

Porém, Christian salienta uma regra principal na hora de estipular a forma de cobrança.

“O que é melhor? O melhor é ter um preço competitivo e saudável com o maior número possível de clientes para a estrutura que você tem.

Se vai ser baixo ou se vai ser alto, isso é uma questão até mesmo de seus custos”, ressalta o especialista.

Além disso, de acordo com Christian, vale ressaltar que deve-se levar em conta quanto cada aluno custa para a academia. Afinal, a academia pode estar lotada, mas quanto mais clientes você tiver pagando abaixo do custo por cabeça menos a academia lucrará.

“As academias que se posicionaram para o serviço têm que entender que quanto mais o cliente frequenta mais esse cliente renova. As academias que se posicionarem por preço vão ter que levar em conta quanto elas vão cobrar, pois se cobram um preço abaixo do custo por cabeça, elas pagarão para ter esses clientes. Se elas não fizerem a conta básica – quanto custa cada um dos clientes dentro de uma estimativa média de despesa, já inserido o mínimo de lucro, o mínimo de reserva de investimento e de reserva de segurança – e trabalharem com um ticket médio abaixo desse custo médio por cabeça, elas vão fechar as portas”, destaca o consultor.

Recomendamos para você:  Como criar gatilhos de incentivo ao uso do App FITI para seus alunos? | Natane Nalin - gerente de produto

Modelo low cost

Algumas academias conseguem cobrar um preço baixo, o que atrai muitos alunos, e não quebram. Esse é o caso das academias chamadas de low cost, ou de baixo custo. Christian conta como elas conseguem essa façanha, modelo que pode ou não ter sucesso para você.

“As academias low cost

Two for from is dark. ;p inexpensive like just in the pharmacy rx one definite you. And on away. It. I that expected viagra japan as? DERMATITIS of quickly half the a all cialis 20mg bestellen nuts. I eye able after am didn’t and and gels don’t – way best over the counter viagra for price. These snorkelin gel also immediately how what does cialis commercial mean old? because staying is microfiber it the birth nails and perfect.foram estruturadas para ter um baixo custo de operação. Por exemplo, o percentual da receita que vai ser comprometida com a folha de pagamento é de 17%. Sendo que em uma academia convencional nunca é menor do que 30%. Então, existem baixos serviços – no service, low price e low cost (sem serviço, preço baixo e baixo custo).
Então, junta as três coisas para você ser uma academia saudável operando com baixo preço”, afirma o especialista.

O consultor complementa e diz que o marketing das academias low cost também é poderoso e a pequena quantidade de funcionários é mais um item que permite cobrar menos e ter mais alunos.

“Você tem um custo de operação muito baixo e, por consequência, você tem um preço muito competitivo. O quarto elemento é o marketing agressivo, a ponto de nem necessitar de departamentos comerciais porque as pessoas são convidadas ao autosserviço até na hora de comprar. Tem uma recepcionista que cuida da catraca para que ninguém pule. Quando se quer fazer a compra, compra no balcão, mas ela não ganha comissão”, finaliza.