Descubra o que 5 experts do mercado falaram no Webinar promovido pelo EVO sobre como as academias devem se preparar para enfrentar no futuro, quando tiverem que abrir as portas.

Introdução

Desde o primeiro momento em que a crise desencadeada pela Pandemia do COVID-19 sugiu no horizonte das academias, o EVO buscou um posicionamento muito claro: orientar e informar o gestor sobre a situação.

Para que pudesse se planejar e dar os seus passos rumo ao fim desta crise.

Já estamos completando um mês de isolamento, incertezas e muita angústia sobre o futuro dos negócios que funcionam no Mercado de Fitness.

E como ainda não sabemos por quanto tempo ainda estaremos diante desta situação, mas temos certeza de que iremos sair, resolvemos “virar a chave”.

E o primeiro passo nessa direção, foi convidar 5 experts do mercado para falar em como se preparar para quando as academias puderem reabrir suas portas.

Convidamos:

  • Gustavo Borges, especialista em natação e presidente da ACAD, alguém que está vivenciando diariamente tudo o que ocorre relacionado à pandemia.
  • Fábio Gurgel, referência em lutas e proprietário de uma rede de academias que tem unidades no mundo todo.
  • Patrícia Lobato, uma das consultoras mais experientes do nosso mercado.
  • Paulo Akiau, empreendendor nato do fitness e atual presidente da EVO W12.
  • João Barcellos, sócio e diretor comercial da Stone, primeira empresa do ramo financeiro voltada para o dono do negócio.

Quer saber o que cada um disse?

Então continue a leitura.

O que significa “voltar ao normal”?

Com essa pergunta, o medalhista olímpico, gestor e Presidente da ACAD, Gustavo Borges, iniciou a sua fala em nosso Webinar.

Para muitos gestores, o que acreditam ser o “normal” é simplesmente abrir as portas e voltar a funcionar, afinal de contas, com uma ou outra exceção, tudo no Brasil está fechado.

De acordo com a sua experiência e levando em consideração o que ele tem visto nas discussões com membros da ACAD, existe um temor de que, se as academias abrirem de forma precipitada, podem correr o risco de ter que fechar de novo, em razão da pressão de todos os lados.

Pensando nisso, a ACAD preparou um documento que é um protocolo de retorno das academias, para auxiliar o gestor a compreender algumas coisas que funcionarão de forma muito diferente.

Um aspecto que ele ressalta e já vem sendo notado é que a exigência com regras de saúde e higiene será infinitamente maior.

Mas olhando para “o copo meio cheio”, ele nota uma tendência de que, com as informações hoje sobre os benefícios da atividade física, isso gere uma demanda que antes não havia.

Ou seja, mais uma razão para as academias estarem bem preparadas para o retorno.

Depois do Gustavo, tivemos a visão do Fábio Gurgel, trazendo o seu olhar sobre o universo das lutas.

As lutas contam com o aspecto da socialização a seu favor

Num primeiro momento, pode parecer que atividades como o Jiu Jitsu, onde o contato é inevitável, poderia ser um dos mais prejudicados nessa retomada.

E realmente, este é um fato que não dá para fugir, por mais que se pense na hipótese de aulas em grupos menores ou algum outro elemento que envolva a criatividade.

Porém, olhando para um cenário a médio prazo, o Gurgel também mencionou um fato citado pelo Gustavo, sobre as pessoas demonstrarem necessidade de incluir a atividade física em suas vidas.

E no caso do Jiu Jitsu, apesar de todas as adaptações que se farão necessárias, o Gurgel levantou uma questão muito importante: a socialização e o efeito tribal do Jiu Jitsu aturarão como um fator determinante para as pessoas experimentarem esta modalidade.

Ou seja, apesar de estar “quebrando a cabeça” para encontrar uma maneira de se adaptar aos novos tempos no que diz respeito a um esporte de contato como o Jiu Jitsu, o sentimento é de otimismo, inclusive pelas campanhas de conscientização e da necessidade de praticar atividade física.

Recomendamos para você:  As questões que mais tiram o sono do gestor de academia passaram pelo webinar trabalhista do EVO

E em razão do isolamento, da necessidade de convivência.

Não podemos nos esquecer de olhar nossas equipes

As atividades de consultoria da Patrícia Lobato, uma das mais experientes e conceituadas do setor, têm sido intensas, com todo mundo ansioso por uma boa orientação sobre o que fazer neste momento.

Ela tem orientado os clientes que as muitas Lives que estão ocorrendo, são muito voltadas para donos de academia e gerentes, mas as equipes que vão atender as pessoas que vão voltar para as academias não estão preparadas.

Segundo a Patrícia, o gestor tem que preparar suas equipes, já.

É preciso redesenhar o planejamento, revisar protocolos, atendimentos, como se comunicar com os alunos e principalmente, mudar o foco da atividade física como um meio para satisfazer uma necessidade estética e mostrar os benefícios para a saúde.

Uma frase que marcou a fala da Patrícia Lobato foi no sentido dos gestores de academia fazerem todo o esforço necessário para manter suas equipes, afinal de contas, “Uma orquestra sem músicas não é uma orquestra, é um solo”.

E a música de uma orquestra é muito mais agradável aos ouvidos.

O momento é de reflexão.

O Diretor Comercial e Sócio da Stone, João Barcellos, que tem muita vivência em lidar com pequenas e médias empresas, convida os gestores a uma reflexão sobre seus próprios negócios.

Segundo ele, as pessoas estão fazendo aulas pela internet, o professor está no Instagram e fazendo Lives, o gestor deve estar se perguntando, como ele faz para se profissionalizar em todas as plataformas.

As academias que estão bem aparelhadas tecnologicamente, conseguem resolver suas situações gastando menos tempo e com mais eficiência.

Uma outra coisa que ficou clara para ele é a diferença entre as academias que prezam pela conexão com os alunos e as que simplesmente “alugam equipamentos” para os alunos treinarem.

E parece óbvio que neste momento de pandemia, as academias que investiram forte na conexão com os alunos acabaram tendo uma significativa vantagem competitiva neste momento difícil.

E a tendência é que quando puderem reabrir, usem esta vantagem para manter e até mesmo reforçar o vínculo com os alunos.

Que é o que vai ao encontro da fala do nosso último convidado, como podemos ver abaixo.

O isolamento social revelou a importância de estar perto do cliente…

… mesmo de longe!

E ao ressaltar isso, Paulo Akiau, Presidente da ABC e da EVO W12, sente-se à vontade para revelar a satisfação com as funcionalidades do EVO, que sempre foi pioneiro em CRM, venda online e muitas outras ferramentas que se mostraram muito úteis neste momento.

E certamente, para o futuro que virá pela frente, serão ainda mais útteis.

E falando em futuro, o Webinar se desmembrou em duas ações importantes para a sua gestão:

Um teste para você saber se a sua academia está pronta para reabrir, que você pode fazer clicando aqui

Um Webinar falando exatamente sobre estratégias para você usar quando sua academia reabrir as portas, que vai ocorrer no dia 04/05 e que você pode se inscrever aqui

Conclusão

Por último, fica aqui o convite para você rever quantas vezes quiser o conteúdo do nosso Webinar e ver como as academias estão se comportando durante a crise.

Aqui você assiste ao conteúdo e continue atento às nossas redes sociais, pois estamos entregando conteúdo relevante, com boa informação e orientação adequada para a sua academia atravessar este momento dificílimo.

Conte com a gente!

#estamosjuntos
#doisanosemdoismeses