Descubra no artigo escrito por Jessé Lopes, Head de Customer Success do EVO, como o mercado fitness passa por uma reinvenção irreversível e quais as consequências disso para o seu negócio.

Introdução

Um mercado se reinventando.

É isso que estamos vendo e vivendo atualmente. Empresas cada vez mais preocupadas em:

Receber e aceitar seus colaboradores da melhor forma possível,

Criar um ambiente positivo

Promover a aceitação, convivência e acolhimento.

Vira e mexe eu leio ou ouço alguma discussão sobre a reinvenção do comportamento no mercado de trabalho, as novas regras, o novo padrão, todo um movimento que apresenta os novos tipo de empresa em que se pode ficar mais à vontade, mostrar quem você é de verdade e, como consequência, ter equipes mais felizes, mais entregues e trabalhando de forma muito mais confortável.

Nem todo mundo está disposto a aceitar essa reinvenção

Há os que defendem, os que nem pensam na hipótese de implantar essas novas regras dentro do seu negócio, os que acham esquisito, porém gostariam de viver (#credoquedelícia) e também aqueles que nem sabiam que existem lugares migrando para um cenário como esse.

Confesso que, desde entrei em uma empresa que tinha essa pegada, o choque foi gigante.

Para mim, isso era coisa do Vale do Silício, não daqui. Estranhei em um tal ponto que me questionei se as pessoas realmente produziam o que precisavam para garantir as suas entregas.

E é aí que está a chave dessa revolução: elas produzem.

E produzem muito mais. E produzem mais felizes.

E produzem à vontade, por poderem expressar quem elas são de verdade, na essência, sem as capas e máscaras que, muitas vezes, o ambiente corporativo impõe, impiedoso, forçando indivíduos a criarem personagens que existem só no horário comercial, mas que não representam, nem de longe, a verdadeira essência dessas pessoas.

 Aqui na W12 o nosso jeito de tratar isso é único. A gente tem a #vibew12.

E o que é isso? Respondo.

#vibew12 é muito mais do que podermos vir trabalhar de bermuda, camiseta, roupa de time ou de super-heróis, de meias coloridas (#soudesses) ou moletom.

Vai muito além disso.

Quer dizer que estamos em um lugar que vai além de uma empresa, é uma família. E, por isso, um lugar que pensa no todo e em todos.

A gente senta pra discutir as decisões que impactam na vida de todos, de forma aberta e sem receio de se posicionar. Todo mundo está junto e fala o que pensa, defende seus pontos, e pronto .. nós chegamos a um consenso.

Recomendamos para você:  Vender online é tendência, mas como as pessoas chegam no seu site?

Consenso esse que, aliás, traz consigo ônus e bônus no mesmo peso. Pode ser maravilhoso, mas, da mesma forma, dar aquela raivinha de ver que a sua sugestão não foi a adotada.

Mas quando não é, vem logo o alívio de saber que o que será feito será bom para todos, pois somos um organismo único e interligado. O melhor foi escolhido e é esse o sentimento que nos acompanha dali em diante.

A participação no processo de tomada de decisão gera uma sensação maior de pertencimento

A sensação de pertencimento que isso gera é imensurável e, ela sim, captura os nossos times para continuarmos nos entregando e dando o nosso melhor.

O complemento disso é uma consequência, é a naturalidade com que fazemos tudo, sendo quem somos.

Aqui não importa a forma como você se veste, seu peso, sua idade, sua orientação sexual, a cor da sua pele, sua nacionalidade.

Somos quem somos e nos entregamos à #vibew12 com toda dedicação e carinho, porque é assim que somos recebidos, é disso que fazemos parte e é isso que sentimos.

Estamos conectados com a tendência do que acontece nas empresas de alta performance

E aí, olhando lá pra fora, de volta para o mercado, e comparando com o que vivemos aqui todos os dias, com o que eu tenho visto e vivido nos últimos dois anos (como disse lá no comecinho do texto), eu vejo que estamos absolutamente “na moda”, estamos “in”.

Mas não em uma moda passageira.

Esse modelo veio e foi pra ficar.

Para mim, ou as empresas passam a olhar para os colaboradores dessa forma, ou irão, fatalmente, perder seus maiores talentos para empresas como a W12, onde podemos ser quem somos, e isso só nos faz mais fortes.

Conclusão

É importante concluir dizendo que essa decisão não atinge 100% da população. Infelizmente, nem todo mundo dá valor ao fato de ter voz própria, de poder assumir protagonismo em determinadas situações ou de participar das decisões de uma empresa.

A boa notícia é que existe lugar para todos os tipos de pessoas no mercado, inclusive para quem não se adapta ao modelo que vivemos aqui, onde a alta performance vem do comprometimento de todos os colaboradores com os compromissos assumidos.

Por isso, se você quiser viver esse tipo de experiência de exercer o protagonismo no seu trabalho e tiver a oportunidade, vem pra cá.

Você vai poder viver isso de perto e será muito bem recebidx na nossa família.